Como nova tendência mundial, passo a passo, as organizações migram ou planejam uma nova identidade com a tecnologia do “blockchain”, visando prover avanços no armazenamento de dados, segurança e gestão. Com possibilidades infinitas, como em qualquer outro software, cria-se a necessidade de testes elaborados e fidedignamente realizados nas aplicações construídas para a rede.

Com esse artigo, esperamos apresentar, mesmo que de maneira mais geral, essa migração e as probabilidades de testes, os benefícios, as dificuldades e fases disponíveis para o processo.

O que é blockchain testing?

O processo propriamente dito, consiste na avaliação sistêmica dos mais diversos componentes funcionais da “blockchain”, como os “smart contracts” (contratos inteligentes). Diferente dos testes em softwares tradicionais, o “blockchain testing” engloba vários componentes, como os blocos, mineração, transações, carteiras e que em muitos casos exigem ferramentas especiais para sua aplicação.

Os testes, quando bem direcionados, na cadeia como um todo, auxiliam no desenvolvimento de vários estágios de qualidade, desde o desempenho do sistema até a segurança das aplicações criadas para “blockchain”. Especialistas, apresentam que a melhor abordagem para um teste completo e bem estruturado é abranger todo o ambiente. Dessa forma, devem ser inclusos nos testes, aplicativos baseados na “blockchain”, mobile e web, as interações com componentes funcionais do sistema, como uma API, os contratos inteligentes e os nós.

Quais os benefícios do blockchain testing?

Como resultado principal o “blockchain testing” fornece às organizações uma infraestrutura segura e funcional, em decorrência da validação de todas entidades envolvidas na operação, garantindo robustez e menos probabilidades de falhas significativas. A eficiência do processo de teste, permite que o tempo seja direcionado ao que realmente importa, nas entregas de produtos de qualidade, melhorando assim a experiência do usuário.

Desafios no blockchain testing

Historicamente, desafios costumam se apresentar nos primeiros momentos de qualquer processo, seja na concepção de uma ideia, na implementação de uma nova tecnologia ou até na renovação de um conceito já maduro e altamente utilizado. Então, imaginamos que ninguém ousaria afirmar que trazer e estruturar testes para esse enorme ecossistema da blockchain, seria fácil.
Um dos desafios mais significativos é a falta de ferramentas de teste. Atualmente, existem poucas disponíveis para cada estrutura da rede, portanto, usar a errada pode causar sérios problemas.
Seguindo na linha das possíveis barreiras, temos a escassez de profissionais com expertise, sabendo que a tecnologia é relativamente nova e ainda pouco disseminada na comunidade de testes. Como ferramentas e conhecimento ainda são pouco difundidos, estabelecer uma estratégia de testes é trabalho árduo, extremamente difícil.
Outra grande preocupação, sabendo que os testes podem ser necessários em aplicativos dos mais diversos setores econômicos, é a garantia e segurança dos dados, durante as fases do projeto.

Tipos e possibilidades de blockchain testing

Uma lista resumida, mas abrangente dos tipos de testes que podem ser realizados no ecossistema “blockchain”:

– Teste funcional: Determina a eficácia de vários componentes funcionais do sistema blockchain;

– Teste de nó auxilia (node testing): Independente em cada nó da rede para garantir uma conexão sem problemas;

– Teste de desempenho/performance: Identifica as restrições de fluxo do sistema e recomenda uma solução ideal;

– Teste de API: Contribui para uma interação clara entre os aplicativos na rede blockchain, garantindo que as solicitações e respostas entre esses aplicativos sejam operadas adequadamente;

Fases do blockchain testing

Fase inicial (Iniciação): Consideramos a primeira etapa do processo como um todo, nela, os responsáveis, principalmente os QAs se familiarizam com o ciclo de vida do sistema, compreendendo as funcionalidades, gerando um mapa com todas interfaces, componentes, subcomponentes, para uma boa compreensão do sistema;

Fase de design (Concepção): Nessa fase, os principais componentes do sistema que serão testados são identificados e uma estratégia bem detalhada e adaptada ao blockchain é desenvolvida. Na estratégia, serão descritos os casos de testes e as especificações do ambiente de teste;

Fase de planejamento: Fase importante do processo, onde é decidido como cada tipo de teste será realizado, com estimativas quantitativas em cada nível. Estratégias alternativas podem ser detalhadas, considerando possíveis desvios, como um sistema indisponível.

Fase final (Resultados): Fase final, onde relatórios e entregáveis sobre os testes realizados no sistema. Desempenho do sistema, verificação de baixo nível e validação de blocos, transações e contratos inteligentes são os exercícios fundamentais que devem ser executados nessa etapa do processo.

E aí, o que achou? Blockchain testing, faz ou fará parte do seu portifólio? Nos vemos na próxima.

Fontes:

https://blog.logrocket.com/complete-guide-blockchain-testing/
https://www.guru99.com/blockchain-testing.html
www.infoq.com/articles/testing-blockchain-solutions/

Alexis Teodoro – Coordenador de Operações